Clique aqui para visitar a página inicial do EUFIC
Segurança E Qualidade Alimentar
Tecnologia Alimentar
Food Risk Communication
Nutrição
Saúde E Estilo De Vida
Doenças Relacionadas Com A Alimentação
Perspectivas dos consumidores
(Apenas em Inglês)
Estímulo à reflexão
(Apenas em Inglês)
Iniciativas da União Europeia
(Traduzido parcialmente)
Destaques
Balanço energético

Nós aderimos aos princípios da charte HONcode da Fondation HON Nós aderimos aos princípios da carta HONcode.
Verifique aqui.



FOOD TODAY 05/2008

Dieta, actividade física e cancro – análise de estudos existentes

Food TodayEm Novembro de 2007, foi publicado um estudo major que analisava diversos estudos realizados sobre o risco relativo de sofrer de diferentes tipos de cancro e os diferentes estilos de vida. Este estudo combina investigações de referência com conhecimentos científicos internacionais, e foi publicado juntamente com o Fundo Mundial para a Investigação do Cancro (WCRF) e Instituto Americano para a Investigação do Cancro (AICR). Este é o estudo mais completo acerca da relação existente entre a dieta, a composição corporal, a actividade física e os diferentes tipos de cancro.
Alguns cancros podem ser prevenidos
 
Danos no DNA (material genético) promovem cancro, mas apenas 5 a 10% dos cancros são herdados directamente, e um indivíduo com herança de genes promotores de cancro podem não desenvolver cancro necessariamente (mas têm um risco acrescido quando comparado com a população em geral). A exposição a factores ambientais que possam causar dano genético é de longe o factor mais importante, que irá determinar ou não o desenvolvimento desta doença. Contudo, nem todos os carcinogénicos ambientais (substâncias promotoras de cancro) podem ser evitados, tal como o fumo do tabaco, a radiação e a infecção; no entanto, existem muitos factores na nossa vida quotidiana que se podem modificar para prevenir os danos no nosso DNA, como ter uma dieta e um estilo de vida saudáveis.
 
Origem do estudo
 
Desde o primeiro relatório da WCRF, à dez anos atrás, a investigação sobre a prevenção do cancro tem aumentado enormemente e têm sido desenvolvidos novos e mais eficazes métodos electrónicos, para a análise e avaliação dos dados. A necessidade de um estudo actualizado era clara.
 
Durante 5 anos, mais de 20 cientistas de renome mundial, analisaram uma série de relatórios sistemáticos, escolhidos especialmente para a ocasião, que reviam os estudos científicos elaborados em todo o mundo, com o objectivo de estudar de que modo as modificações  no estilo de vida afectam o risco de cancro (WCRF/AICR 2007).
 
Em função da qualidade e das fortes evidências, avaliou-se se a relação causal ou protectora entre determinadas combinações, como a dieta, nutrientes, composição corporal e actividade física, é convincente, provável ou limitativa. Estima-se que quando o peso acumulado das provas epidemológicas, experimentais e de descobertas biológicas é consistente, objectivo, sólido, coerente, recorrente e credível, a relação causal é mais provável. Individualmente, nenhum destes factores é suficiente para inferir uma relação causal. Este artigo destaca as relações causais convincentes e prováveis.
 
Actividade física
 
Embora o nosso corpo tenha sido concebido para ter uma actividade física regular, nos últimos anos, especialmente nos países mais desenvolvidos, os níveis de actividade física têm vindo a diminuir progressivamente.
 
Os empregos são mais sedentários, a maioria das viagens são feitas em veículos motorizados, as tarefas domésticas são realizadas por máquinas desenvolvidas e, nos tempos livres, substitui-se as actividades ao ar livre pela televisão ou jogos de computador.
 
A falta de actividade física é provavelmente um importante factor para o excesso de peso e obesidade, os quais aumentam o risco de alguns cancros. O estudo defende a teoria geral de que o homem tem evoluído e se adaptado para ser activo durante toda a sua vida, e o seu estilo de vida sedentário pode ser prejudicial para a saúde.
 
Conclusão
 
Existem provas sólidas de que a actividade física protege o cancro do cólon e , provavelmente também, o cancro do endométrio e da mama, em mulheres pós-menopáusicas. As evidências sugerem que todos os tipos e níveis de actividade física podem ter um efeito protector, mas os dados sobre actividade física específicos são limitados.
 
Gordura Corporal
 
Como resposta à actual situação de abundância, surgiu uma nova preocupação relacionada com a saúde: a possibilidade de uma pandemia de excesso de peso e obesidade. Os mecanismos pelos quais a gordura corporal aumenta o risco de cancro não estão totalmente compreendidos. No entanto, as evidências indicam que:
  • a obesidade, especialmente a gordura abdominal, altera para valores acima do normal, os níveis de certas hormonas e factores de crescimento, que provocam o desenvolvimento das células cancerosas. Por exemplo, a elevada produção de insulina aumenta o risco de cancro do cólon e endométrio, e possivelmente o cancro do pâncreas e rim; o excesso de leptina no sangue está associado a um aumento do risco de cancro da próstata e rectal.
  • a obesidade caracteriza-se por ser um estado inflamatório crónico de baixo grau. A inflamação é uma resposta fisiológica a uma infecção ou trauma, que numa fase aguda pode ser útil. Contudo, a inflamação crónica pode danificar o DNA e favorecer o aparecimento de cancro.
Conclusão
 
A relação causal entre o aumento de gordura corporal e o cancro é mais forte actualmente do que na década de 90. Especificamente, existem evidências concretas de que existe uma relação causal entre o aumento de gordura corporal e o cancro do esófago, pâncreas, cólon, endométrio, mama e rins (em mulheres pós-menopáusicas), e provavelmente também com o cancro da vesícula biliar, tanto directa como indirectamente mediante a formação de pedras na vesícula. Pelo contrário, é provável que o aumento da gordura corporal actue como protecção contra o cancro da mama, nas mulheres pré-menopáusicas; no entanto, ainda não foi identificado nenhum mecanismo que explique este efeito.
 
Amamentação
 
Tradicionalmente, o principal foco de atenção quanto à amamentação são as propriedades benéficas do leite materno para o processo de crescimento do recém-nascido; contudo, pesquisas recentes indicam vantagens da amamentação tanto para o recém-nascido como para a mãe. Os últimos estudos revelam o facto de que quanto mais tempo a mulher amamentar, maior a protecção contra o cancro da mama. Acredita-se que as alterações hormonais estão associadas à redução dos ciclos menstruais, responsáveis por este efeito.
 
Conclusão
 
Existem provas consistentes que demonstram que o aleitamento materno protege a mãe do cancro da mama em todas as idades, mesmo após a menopausa.
 
Fibra dietética
 
A fibra dietética encontra-se principalmente nos cereais, raízes, tubérculos, leguminosas, frutas e legumes. Embora não haja uma relação significativa entre certos alimentos ricos em hidratos de carbono complexos e o cancro, existem provas que mostram o efeito protector da fibra contra o cancro do intestino. Este componente aumenta o peso das fezes e acelera o trânsito intestinal, provavelmente também a passagem de substâncias cancerígenas no organismo, mas as fibras são também fermentadas no intestino, pelas bactérias intestinais, produzindo ácidos gordos de cadeia curta que ajudam a manter saudável as células intestinais.
 
Conclusão
 
Os alimentos que contêm fibra dietética protegem contra o cancro do intestino.
 
Frutas e Legumes
 
As frutas e legumes são as maiores fontes de vitaminas, minerais e fitonutrientes na dieta. No geral, ao elaborar o relatório, foi difícil descrever a associação entre certos frutos e produtos hortícolas e o cancro, devido à combinação complexa de nutrientes que cada alimento contém, uma vez que todos eles podem contribuir para este efeito protector. Estudos analisados, com palavras-chave como o caroteno, licopeno (encontrado no tomate), vitaminna C e B e selénio, apresentaram mais informações. Estes componentes activos protegem o DNA contra danos oxidativos, inibem a activação dos agentes carcinogénicos no organismo e podem ainda inibir o crescimento, ou causar a morte, das células cancerosas.
 
Conclusão
 
O estudo mostra que, apesar de tudo, as evidências de que as frutas e vegetais protegem contra o cancro é menos conclusivo do que o que se acreditava. É provável que as frutas e vegetais protejam contra o cancro da boca, garganta, esófago, pulmão e estômago. Os alimentos que provavelmente protegem contra certos cancros são:
  • alho picado contra o cancro gástrico (o facto de ser picado faz com que se liberte uma enzima que estimula a formação de composto de enxofre benéficos;
  • carotenóides contra o cancro da boca, garganta e pulmões;
  • licopeno (presente no tomate, especialmente se este estiver cozinhado, como molhos de tomate, sopas e ketchup), contra o cancro da próstata;
  • vitamina C contra o cancro do esófago.
Álcool
 
O álcool tem vindo a ser consumido, na maioria das sociedades, desde a época do paleolítico ou mais cedo ainda. Cerveja, vinho e outras bebidas espirituosas são muito populares e, embora já seja conhecido que o seu consumo prolongado causa cirrose hepática, têm sido a ser descobertos outros efeitos nocivos deste. O etanol é classificado como um agente cancerígeno para o ser humano, e cm tal, promove o aparecimento de cancro, independentemente do tipo de bebida em questão. Não foi possível observar nenhum nível de consumo de álcool que não aumente o risco de cancro de pele. No entanto, quanto maior o consumo, maior o risco deste aparecer.
 
Conclusão
 
As evidências são mais fortes do que antes; as provas são cada vez mais consistentes, quanto à relação causal entre o consumo de álcool e o cancro da boca, garganta, esófago, cólon (em homens) e cancro da mama (em mulheres). Além disso, é provável que há já um risco acrescido nas mulheres, entre o consumo de bebidas alcoólicas e o cancro hepático e intestinal.
 
Carne, aves, peixe e ovos
 
Acredita-se que o homem evoluiu de omnívoro e que uma dieta saudável inclui alimentos de origem vegetal e animal (como carne, frango, peixe e ovos). Estes alimentos são boas fontes de proteína de alta qualidade e de muitos micronutrientes essenciais. Contudo, o consumo de carne vermelha (por exemplo a carne de bovino e suíno) aumenta o nível dos compostos N.nitroso no organismo, devido ao seu elevado conteúdo em ferro-heme. Além disso, as carnes processadas, como o presunto, o bacon, enchidos, salsicha tipo Viena e cachorros quentes, apresentam nitratos, nitritos e outros conservantes que são adicionados durante o processo de cura. Estes compostos são cancerígenos para o ser humano, provavelmente devido à sua conversão em N-nitroso no organismo.
 
Conclusão
 
Não existem provas conclusivas de que a continuação do consumo de grandes quantidades de carne vermelha e processada pode aumentar o risco de cancro no intestino.
 
Leite e produtos lácteos
 
O leite e os produtos derivados, como o queijo, a manteiga, ghee (um tipo de manteiga, proveniente principalmente da Índia e Egipto) e iogurte são consumidos desde quando o homem se dedicou a domesticar os animais ruminantes mais adequados.
O cálcio na dieta pode ser considerado como um indicador do consumo diário de produtos lácteos em zonas industrializadas, como a Europa. Acredita-se que o cálcio protege contra o cancro e influencia directamente o crescimento e a renovação celular e, associado a ácidos gordos e à bilis, impede o dano do revestimento intestinal. Além disso, o leite contém substâncias bioactivas que também desempenham um papel protector. Por outro lado, uma ingestão elevada de cálcio pode aumentar a proliferação celular na próstata.
 
Conclusão
 
As evidências apontam para diferentes direcções, quando se relaciona cancro com os produtos lácteos. O leite, provavelmente, protege contra o cancro cólon rectal e talvez também contra o cancro da bexiga. Não há uma relação causal entre as dietas ricas em cálcio e o cancro da próstata, assim cm não há dados conclusivos acerca do elevado consumo destes alimentos e este tipo de cancro.
 
Gorduras, óleos, açúcares e sal
 
As gorduras e os óleos são os constituintes mais energéticos da nossa dieta e os açúcares são os hidratos de carbono com sabor doce. As gorduras e os açúcares são os componentes de muitos alimentos e bebidas com elevada densidade calórica, o que contribui para o excesso de peso e, consequentemente, para o aumento do risco de cancro. No entanto, não há uma associação directa sólida que confirme a relação das gorduras, óleos e açúcares com o cancro. O sal (cloreto de sódio) é essencial para o funcionamento normal do organismo, e antigamente tinha uma existência preciosa. Actualmente, o sal é abundante e é encontrado principalmente nos alimentos conservados em sal e salgados de carne ou peixe, azeitonas, em alimentos processados como as salsichas, alimentos pré-preparados, caldos de carne,  e também nas batatas fritas, nozes e outros aperitivos salgados. Estudos mostram que o elevado consumo de sal prejudica o estômago, aumenta a produção de composto N-nitrosos e estimula o aparecimento de substâncias cancerígenas no estômago.
 
Conclusão
 
O elevado consumo de sal, e alimentos conservados neste, contribui para o aumento do risco de cancro gástrico.
 
Uma contribuição significativa
 
As doenças não transmissíveis, e em particular o cancro, são um dos principais desafios para a saúde pública mundial. O presente estudo, faz uma revisão das evidencias existentes, oferecendo uma contribuição notória para o conhecimento do cancro, uma vez que determina o modo como a alimentação, nutrição, actividade física e composição corporal podem alterar o risco de cancro, e destaca os factores mais importantes. Esta informação deverá ser usada em conjunto com as recomendações dos governos nacionais, com o objectivo de promover estilos de vida saudáveis.
 
A escolha de um estilo de vida saudável e de uma dieta adequada nos primeiros anos de vida, e em toda a vida adulta, ajuda a reduzir o risco de certas doenças como a obesidade, as doenças cardiovasculares, hipertensão arterial, diabetes e alguns tipos de cancro. Para ter uma dieta saudável é preciso ter uma dieta equilibrada, consumindo certos alimentos com moderação e incluindo uma grande variedade de alimentos diferentes.
 
Referências
  1. WCRF/AICR (1997). Food, Nutrition and the Prevention of Cancer – a Global Perspective. Washington D.C.
  2. WCRF/AICR (2007). Food, Nutrition, Physical Activity and the Prevention of Cancer – a Global Perspective. Washington D.C. Disponível em: www.dietandcancerreport.org
SOBRE O EUFIC
O European Food Information Council ou EUFIC (Conselho Europeu de Informação Alimentar) é uma organização sem fins lucrativos, que fornece informação científica sobre segurança e qualidade alimentar, nutrição e saúde, aos meios de comunicação, profissionais de nutrição e saúde, educadores e líderes de opinião pública, de uma forma facilmente compreensível pelos consumidores.

Ler mais
A última actualização deste site foi efectuada em 22/04/2014
Ver todos os resultados da procura