Clique aqui para visitar a página inicial do EUFIC
Segurança E Qualidade Alimentar
Tecnologia Alimentar
Food Risk Communication
Nutrição
Saúde E Estilo De Vida
Doenças Relacionadas Com A Alimentação
Perspectivas dos consumidores
(Apenas em Inglês)
Estímulo à reflexão
(Apenas em Inglês)
Iniciativas da União Europeia
(Traduzido parcialmente)
Destaques
Balanço energético

Nós aderimos aos princípios da charte HONcode da Fondation HON Nós aderimos aos princípios da carta HONcode.
Verifique aqui.



FOOD TODAY 11/2000

Começando bem na vida

Food TodayCada fase da vida apresenta necessidades nutricionais específicas. O Professor Peter J. Aggett, da Escola Pós-graduada de Medicina e Ciências da Saúde de Lancashire, Universidade Central de Lancashire, Reino Unido, estuda um dos momentos primordiais da vida: quando ingerimos os primeiros alimentos sólidos.

A diversificação da dieta do bebé é um tema de debate, especialmente quando se trata do momento mais adequado para introduzir os complementos alimentares e a natureza destes. A maioria das opiniões, não todas, está de acordo com as recomendações da OMS, ou seja, de promover uma “dieta mista” a partir dos 6 meses de idade. Em certas situações, em que as condições existentes são insuficientes, tanto nos países em desenvolvimento como nos desenvolvidos, dar alimentos sólidos ou líquidos ao bebé pode aumentar o perigo de infecções. Consequentemente, algumas autoridades de saúde argumentam que esta introdução alimentar não deve ser feita antes dos 6 meses.

Este, tal como muitos outros assuntos relacionados com a alimentação, é difícil de resolver porque as práticas regem-se pela tradição e não pela ciência. Por exemplo, muitas mães, incluindo aquelas que acreditam que o ideal seria amamentar até aos dois anos de vida, dão aos seus bebés alimentos sólidos a partir do segundo mês.

Estudos em outros mamíferos sugerem que a introdução de alimentos, como complemento do leite materno, ocorre num momento crítico do desenvolvimento fisiológico e metabólico. Esta mudança não foi tão bem caracterizada em humanos, mas pelos 4 meses de idade as crianças apresentam uma coordenação neuro-muscular suficiente para engolir os alimentos e distinguir as diferentes texturas e sabores. A maturação metabólica e imunológica da criança não é tão clara.

A maioria das autoridades recomenda que o tipo de alimentos a introduzir inicialmente deve ser os cereais sem glúten (o arroz muitas vezes usado), vegetais, frutas e carne.

A melhor forma de dar estes alimentos é à colher, sem que seja necessário misturar estes com outros alimentos líquidos. Assim, este hábito faz com que as crianças adquiram a capacidade de reconhecer os alimentos com textura mais consistente.

Os produtos em puré devem ser preparados convenientemente em casa. Uma vantagem do uso de produtos produzidos comercialmente é que estes são quase sempre suplementados com ferro, mas a eficiência com que este elemento é absorvido varia de acordo com a natureza do produto e, logicamente, com as necessidades do bebé neste mineral.

A transição dos purés para alimentos mais consistentes só deve ser feita após a primeira metade da infância (i.e. entre os 6 e os 12 meses) quando as crianças já aprenderam a mastigar e a gerir melhor os alimentos de texturas mais granuladas, etc., e começam a comer com as mãos. Os alimentos recomendados para as crianças começarem a comer à mão são a côdea do pão, pão tostado, fruta, vegetais cozinhados e carne cozinhada.

Os problemas associados a uma introdução complementar dos alimentos demasiado cedo é o facto de estas se sentirem saciadas, o que conduz a uma redução da ingestão de leite materno; e anemia por falta de ferro, pois a comida sólida reduz a absorção de ferro do leite materno e aumenta o risco de infecções. Também existem riscos no atraso desta introdução. Estes incluem um crescimento lento e uma deficiência em certos nutrientes, como o ferro, zinco, vitaminas lipossolúveis e ácidos gordos essenciais.

Não é conhecido como as crianças se tornam tolerantes imunologicamente às proteínas dos alimentos. O desenvolvimento de alergias pelo bebé e as reacções imunológicas no intestino estão relatados, como ocorrendo logo após a introdução complementar de alimentos. Não é claro como o leite materno afecta este risco. Alguns alimentos são mais causadores de reacções do que outros.

O evitar o glúten neste estadio, é baseado na associação da síndrome de mal absorção intestinal e doença celíaca, com a introdução precoce do trigo. Por esta razão, os cereais de aveia e cevada são normalmente introduzidos antes do trigo e da mistura de cereais. Quando existe uma história familiar de alergias, o conselho é atrasar a introdução de alimentos como o leite de vaca, amendoins, soja, ovos, peixe e galinha, uma vez que são mais alergéneos, para depois dos 6 a 12 meses de idade.

As reacções imunológicas adversas, na primeira infância, variam segundo os alimentos complementares; por exemplo, comparando com a Europa, as reacções ao arroz são mais comuns no Japão e as reacções aos amendoins também são maiores nos EU. A alergia aos amendoins e ovos persiste na idade adulta, o que não acontece obrigatoriamente com outros alimentos, como o leite de vaca. Infelizmente, não existe forma de saber a predisposição fiável sobre o progresso individual de uma crianças e a sua susceptibilidade a alergias e intolerâncias.

A influência da alimentação, da primeira infância, na saúde posterior é a sua repercussão no metabolismo dos nutrientes e consequente risco para doenças, como as doenças cardiovasculares, diabetes e hipertensão. Este risco e outros semelhantes demonstram a importância de introduzir adequadamente os alimentos na alimentação, tendo em consideração as metas a curto prazo, tal como as repercussões posteriores na saúde.

Podcasts relacionados
SOBRE O EUFIC
O European Food Information Council ou EUFIC (Conselho Europeu de Informação Alimentar) é uma organização sem fins lucrativos, que fornece informação científica sobre segurança e qualidade alimentar, nutrição e saúde, aos meios de comunicação, profissionais de nutrição e saúde, educadores e líderes de opinião pública, de uma forma facilmente compreensível pelos consumidores.

Ler mais
A última actualização deste site foi efectuada em 28/08/2014
Ver todos os resultados da procura