Clique aqui para visitar a página inicial do EUFIC
Segurança E Qualidade Alimentar
Tecnologia Alimentar
Food Risk Communication
Nutrição
Saúde E Estilo De Vida
Doenças Relacionadas Com A Alimentação
Perspectivas dos consumidores
(Apenas em Inglês)
Estímulo à reflexão
(Apenas em Inglês)
Iniciativas da União Europeia
(Traduzido parcialmente)
Destaques
Balanço energético

Nós aderimos aos princípios da charte HONcode da Fondation HON Nós aderimos aos princípios da carta HONcode.
Verifique aqui.



FOOD TODAY 03/2001

Nutrição e a Saúde da Mulher

Food TodayPara muitas mulheres, gerir uma casa, educar os filhos e cuidar dos parentes mais idosos, associado ao facto de trabalhar fora de casa, pode influenciar o seu bem estar físico e psicológico. Assegurar uma boa nutrição e um estilo de vida saudável pode contribuir significativamente para uma boa condição de saúde feminina ao longo da sua vida.

O crescimento rápido que se verifica durante a adolescência, a menstruação e as necessidades acrescidas que se dão durante a gravidez e amamentação pode resultar num risco acrescido de carência de determinados nutrientes, nomeadamente de ferro, ácido fólico e cálcio. Pesquisas sobre o estado nutricional revelam frequentemente uma escassez crónica destes nutrientes, não apenas em idades precoces, estendendo-se também ao longo de idades mais avançadas. Regimes alimentares de baixo valor calórico, dietas de emagrecimento, distúrbios de comportamento alimentar e o crescente número de mulheres vegetarianas torna-as ainda mais vulneráveis às carências nutricionais.

A importância do ferro

As mulheres em idade fértil apresentam uma necessidade acrescida de consumo de ferro e, por isso, correm um risco acrescido de apresentarem anemia ferropénica. É importante que exista um aporte constante de alimentos ricos em ferro, sobretudo aqueles que são consumidos em grandes quantidades e que permitam uma boa absorção deste mineral. O ferro hémico de origem animal, derivado da hemoglobina, é facilmente absorvido e pode ser encontrado nas carnes e nos produtos à base de carne. De entre as fontes de ferro de origem vegetal, e portanto não-hémico, temos os legumes verdes, feijão branco, amendoins e os cereais de pequeno almoço enriquecidos neste mineral. São também importantes os alimentos ricos em vitamina C, uma vez que aumentam a absorção do ferro não-hémico.

O ácido fólico durante a gravidez

Todas as mulheres em idade fértil que têm um potencial para engravidar devem consumir ácido fólico adicional diariamente, a fim de reduzir o risco de desenvolverem um feto com espinha bífida ou outros defeitos no tubo neural. As necessidades de ácido fólico aumentam consideravelmente durante a gravidez e é, geralmente, recomendado que as mulheres em idade fértil ingiram uma quantidade adicional de 400mg deste, sob a forma de suplementos alimentares, de alimentos enriquecidos, ou ambos, para além de consumirem uma ampla variedade de alimentos que o contenham naturalmente, como é o caso das vísceras e dos vegetais de folhas verdes crus.

O cálcio para ossos fortes

O cálcio é um elemento importante na mineralização óssea e no desenvolvimento do esqueleto durante o crescimento, podendo ser encontrado no leite, queijo, iogurtes e vegetais de cor verde. Aparentemente, hoje em dia, algumas crianças e adolescentes reduzem o consumo deste mineral exactamente no momento em que as suas necessidades aumentam, sendo que o impacto sobre a saúde óssea é agravado devido a um declínio da actividade física. O ácido fólico juntamente com outros nutrientes, como as vitaminas B6, B12, C e D, constituem coadjuvantes da formação óssea, sobre a qual se deposita o cálcio. Torna-se necessário assegurar um consumo adequado de cálcio no momento em que se dá o desenvolvimento do esqueleto, assim como nos períodos pré e pós menopausa. A diminuição de estrogenios verificado nas mulheres menopausicas está intimamente associada a uma acelerada perda de densidade óssea, e consequentemente a um aumento do risco de osteoporose. Durante esta fase da vida, as mulheres podem perder em média cerca de 3% de massa óssea anualmente.

Com o aumento da esperança de vida das mulheres (excedendo a estimada para os homens), pode-se esperar que estas cheguem aos 80 anos de idade ou mais. Dado que a idade em que iniciam a menopausa não apresenta grandes variações significativas, a mulher pode prever que vai passar cerca de 30 anos da sua vida (quase um terço da sua vida) num estado pós-menopausico. Consequentemente, é essencial promover boas praticas nutricionais, encorajando uma alimentação equilibrada e variada durante todos os momentos da existência feminina, com o objectivo de assegurar o bem estar e saúde, tanto para as mulheres como para os seus descendentes.

Referências

  • The Nutrition Society (1997) Symposium on nutritional issues for women. Proceedings of the Nutrition Society 56 (1B), 291-391.
  • The Lancet (1997) Women's health. The Lancet 349 (supp. 1), 1-26.
  • National Dairy Council Nutrition Service (1996) Nutrition and women's health. Fact File no. 13. NDC, London.Aggett, P. (1995)
  • Iron and women in the reproductive years in British Nutrition Foundation: Iron, nutritional and physiological significance. Task Force Report, 110-118. Chapman and Hall, London.
SOBRE O EUFIC
O European Food Information Council ou EUFIC (Conselho Europeu de Informação Alimentar) é uma organização sem fins lucrativos, que fornece informação científica sobre segurança e qualidade alimentar, nutrição e saúde, aos meios de comunicação, profissionais de nutrição e saúde, educadores e líderes de opinião pública, de uma forma facilmente compreensível pelos consumidores.

Ler mais
A última actualização deste site foi efectuada em 28/08/2014
Ver todos os resultados da procura