Clique aqui para visitar a página inicial do EUFIC
Segurança E Qualidade Alimentar
Tecnologia Alimentar
Food Risk Communication
Nutrição
Saúde E Estilo De Vida
Doenças Relacionadas Com A Alimentação
Perspectivas dos consumidores
(Apenas em Inglês)
Estímulo à reflexão
(Apenas em Inglês)
Iniciativas da União Europeia
(Traduzido parcialmente)
Destaques
Balanço energético

Nós aderimos aos princípios da charte HONcode da Fondation HON Nós aderimos aos princípios da carta HONcode.
Verifique aqui.



FOOD TODAY 06/2003

O que é a análise de risco?

Food TodayAs grandes crises a nível alimentar que recentemente assolaram a Europa, conduziram a uma intensa discussão sobre segurança alimentar fornecida. Estas também originaram a criação de uma Autoridade de Segurança Alimentar Europeia (ASAE). Esta autoridade é responsável por fazer uma avaliação científica dos riscos; no entanto, as decisões tomadas em relação à gestão de riscos é da competência da legislação e política da União Europeia. Os riscos são avaliados e geridos numa estrutura denominada Análise de Riscos. Este artigo irá explicar em que consiste Análise de Risco.
Está claro quanto ao que significa “risco”? uma definição é “a probabilidade de acontecer uma situação adversa, problema ou dano e as consequências deste mesmo”. Avaliar riscos e determinar a melhor maneira de geri-los por completo e ampliar à escala da UE constitui um enorme desafio. É difícil apreciar todos os aspectos do risco e visualizar todas as consequências de uma medida de controlo; uma vez que existe sempre um certo grau de incerteza. A análise de risco é uma forma sistemática de avaliar melhor os riscos, alcançar a transparência na sua complexidade e resolver as dúvidas e lacunas. Este sistema facilita a adopção de decisões, em matéria de gestão de riscos, e sua comunicação. A análise de riscos é composta por três etapas: avaliação de riscos, gestão de riscos e comunicação dos riscos.
 
Avaliação dos riscos
 
No que respeita à alimentação, o risco implica um potencial impacto sobre os consumidores. Os possíveis riscos nos alimentos devem-se a microrganismos infecciosos, substâncias químicas, como os contaminantes (p.ex. detergentes de limpeza), ou agentes físicos (como vidro). Embora sejam feitos todos os esforços para minimizar os perigos ocorridos, a segurança alimentar não é absoluta e os perigos podem ocorrer. A avaliação dos riscos segue uma abordagem estruturada que estima o risco e compreende os factores que intervêm de forma positiva ou negativa sobre o risco. Um risco pode estimar-se em termos absolutos (p.ex. estimar o número de consumidores que adoeceram por ano, por consumir determinados produtos) ou relativos (p.ex. comparando a segurança de um produto com outro).
 
Gestão de riscos
 
Os gestores de risco conduzem a Análise de Risco. Estes decidem se a avaliação de risco é necessária para resolver o problema e apoiam os avaliadores no seu trabalho. Uma vez completa a avaliação do risco, os gestores de risco baseiam-se no resultado para decidir quais as medidas a tomar acerca do risco. Quando o risco necessita de ser reduzido, os gestores de risco devem escolher qual ou quais as medidas mais correctas a aplicar.
 
Comunicação dos riscos
 
Na análise de riscos são importantes diferentes tipos de comunicação. Discussões técnicas ocorrem entre gestores, avaliadores e partes interessadas do sector privado. Quando se decide qual o modo de controlar o risco e quando se implementam decisões, a comunicação entre os gestores de risco, o público e o sector privado é muito importante. Esta discussão é menos técnica e deve incluir, por exemplo, pontos de vista económicos, sociais e étnicos. De forma a tomar uma decisão adequada ao objectivo e aceitável por todos os interessados, os gestores de risco necessitam de ter uma boa comunicação do risco. Muitos dizem que a comunicação do risco não é nada mais do que uma actividade de relações públicas, mas na verdade a disciplina tem evoluído de forma independente, sobretudo devido às teorias de percepção de riscos. A percepção de riscos refere-se a uma série de estudos psicológicos, que se iniciaram à cerca de 50 anos, com o objectivo de analisar a forma como os riscos são perceptíveis de uma forma ou de outra. Esta investigação mostrou que existem pessoas que se preocupam mais com riscos involuntários, do que com os voluntários, e mais ainda pelos problemas tecnológicos do que pelas catástrofes naturais. Estes resultados influenciaram enormemente o modo como apresentar os riscos à opinião pública. As estratégias iniciais de comunicação dos riscos funcionavam “alto para baixo”, como de um legislador para o público. Actualmente, prefere-se uma forma de comunicação por diálogo, que motiva o público e os interessados que participam activamente na comunicação do processo.
 
A EUFIC segue o desenvolvimento da Análise de Risco, dentro do sector alimentar europeu. A comunicação de riscos tem um interesse especial para a nossa organização, razão pela qual  teremos informações nos próximos meses sobre este tema, e outras actividades relacionadas com o risco.
 
Referências
  1. ILSI, Food Safety Management Tools, J.L.Jouve, M.F.Stringer and A.C. Baird Parker, Abril de 1998
PERGUNTAS MAIS FREQUENTES (Apenas em Inglês)
SOBRE O EUFIC
O European Food Information Council ou EUFIC (Conselho Europeu de Informação Alimentar) é uma organização sem fins lucrativos, que fornece informação científica sobre segurança e qualidade alimentar, nutrição e saúde, aos meios de comunicação, profissionais de nutrição e saúde, educadores e líderes de opinião pública, de uma forma facilmente compreensível pelos consumidores.

Ler mais
A última actualização deste site foi efectuada em 30/07/2014
Ver todos os resultados da procura